O Tarot do Amor com um toque de espiritualidade - MyPixeland
  •  
  •  
  •  

Bem me quer, mal me quer, bem me quer… Aposto que veio à sua mente a figura de uma menina segurando uma florzinha e tirando pétala a pétala, não é mesmo? Esta pode parecer uma inocente brincadeira de criança, mas reflete uma das maiores dúvidas de qualquer pessoa: será que sou correspondida no amor? E para tentar responder a esta e outras questões do campo amoroso, o ser humano tem se dedicado a muitas artes e há muitos séculos.

Neste sentido, o jogo de Tarot é imbatível. Esta arte divinatória tem muito a nos revelar na área dos relacionamentos afetivos. Além de ser extremamente eficaz para ler as energias e tendências do namoro, casamento ou até mesmo daquele encontro inesperado, o tarot também pode servir como um espelho de nossas ansiedades, angústias e sobretudo pode também nos revelar brilhantemente aquilo que está oculto, o material de que não temos consciência.

Para falar de inconsciente, aliás, precisamos nos remeter a um dos maiores nomes da psicologia analítica: o neurologista suíço Carl Gustav Jung (1875-1961) que estabeleceu os conceitos dos arquétipos e do inconsciente coletivo, os quais são utilizados e respeitados pela classe acadêmica até os dias de hoje.

Em suas pesquisas, Jung constatou que tanto os pacientes esquizofrênicos, quanto pacientes ditos saudáveis eram regidos pelos mesmos impulsos, pelos mesmos códigos simbólicos, os chamados arquétipos que emanariam de uma fonte comum a todos os seres humanos: o inconsciente coletivo. Para você entender melhor, o arquétipo seria a boneca que a criança guarda em um grande armário chamado inconsciente coletivo.

Jung estava tão convencido da existência desses elementos que foi além ao afirmar que uma mente “estreita”, cartesiana, metódica e puramente racional tem chances maiores de adoecer do que uma mente mais “aberta”. Daí a importância de acessar o universo dos símbolos.

E o que pode ser mais simbólico do que uma carta do tarot? Tais desenhos revelam muito mais do que figuras ou representações do dia a dia. O tarot tem o poder de nos mostrar nossa própria alma. Assim, a carta da sacerdotisa pode ser encarada como o arquétipo da mulher sábia, intuitiva, de meia-idade. Já a carta da estrela representa a esperança, o arquétipo da moça jovial e sonhadora.

Bateu uma curiosidade? E o que dizer de um jogo de Tarot exclusivamente focado no lado amoroso? O Tarot do Amor é uma consulta que mescla as artes divinatórias com um toque espiritual: o contato astral/mediúnico. O terapeuta vai sintonizar as vibrações de um guardião do campo amoroso para dar orientações ainda mais precisas combinadas com os conselhos apontados pelas cartas do tarot. E tem mais: nós confiamos tanto nesse atendimento que, se você não gostar, assumimos todo o risco e devolveremos o seu dinheiro. Conheça agora mesmo o Tarot do Amor!

Comentários